A Maratona 2013 chegou!

A proposta é de tirar o fôlego. Uma maratona de livros de banca.
Um romance por mês, cada um com um tema diferente.
Começando em abril e indo até março de 2014.

 photo textoinicial_zpsdaf5f322.png

Resenha da Erica Marts - Hannah Howell - Os devaneios de Sorcha - CHE 344

0 comentários

Título: Os Devaneios de Sorcha
Autora: Hannah Howell
Coleção: Clássicos Históricos Especial 344
Editora: Nova Cultural
Número de Páginas: 317
Classificação: 4 estrelas

Escócia, 1388
Reféns da paixão
Lady Sorcha Hay fica arrasada ao descobrir que soldados ingleses capturaram seu irmão mais novo. Sem dinheiro, a única maneira de pagar pela liberdade dele será tomar um refém para pedir o resgate. Seu prisioneiro, um cavaleiro ferido no campo de batalha, fica furioso ao ser capturado por uma mulher. Mas nada impedirá Sorcha de manter sir Ruari Kerr aprisionado, mesmo que a visão do corpo bronzeado deixe sua mente girando e seus sentidos em fogo...
Ruari encontrou tudo o que procurava em uma mulher na figura de Sorcha, uma jovem linda e encantadora de cabelos escuros. Enquanto ela trata de seus ferimentos, ele luta contra a intensa atração que o incendeia a cada toque daquela mulher. Mas Ruari não pode permitir-se perder o coração para sua irresistível captora. Quando ele finalmente é resgatado por seus homens, Sorcha pagará caro pela traição... e a amar poderá arriscar a vida de ambos...


Escolhi Hannah Howell porque geralmente gosto de todos os livros que leio dela. Diferente do livro de Março, não me decepcionei.

Esse é um dos poucos livros que li em que as mulheres dominam um clã num romance histórico. No caso, elas dominam o clã Hay, cujo irmão mais velho sem juízo vai pra guerra e vira refém dos ingleses. Cabe a irmã pensar como juntar grana para resgatá-lo e ela faz isso sequestrando um homem rico, Ruari.Não demora muito para o clima esquentar entre esses dois, mas o orgulho dele é mais forte e logo ele terá sua vingança.

Gostei muito da Sorcha, ela é forte, inteligente, esperta e tem uma maldição sobre ela, que recai sobre todas as mulheres da família: ver fantasmas (tipo A Mediadora de Meg  Cabot). Daí o fato de Ruari achar que ela é meio louca.

Já Ruari ficou com o ego ferido por ter sido salva por uma mulher no campo de batalha, virar refém e sentir atração por ela. Destaque também para a prima de Sorcha, Margaret e seu amor inocente por Beathan, primo de Ruari (que também foi resgatado e virou refém). E outra linda prima de Sorcha com "altura de homem" Neil.

A leitura foi rápida e rendeu bons momentos. Quanto a capa é simples até demais. Não sei se é só eu, mas as capas de Clássicos Históricos Especial parecem ser meio iguais algumas vezes e sempre acho que já li o livro ou algo assim.

Resenha da Hanne Lúcio - O Rapto de Sophie - Sarah Gabriel - CHE

0 comentários

Escócia, 1728
Irresistível Tentação
De um dia para o outro, Sophie se vê casada, possuída e aprisionada, por um homem que ela nunca viu antes. Criada em um convento, a última coisa para a qual ela estava preparada era ser mulher e refém de um rebelde atraente e sedutor. Sem escolha, Sophie recorre à única arma a seu alcance: a reputação de moça meiga e boa como uma santa. Ela tenta transformar a vida de Connor num inferno ao criar um ambiente de ternura, paz e harmonia quase celestiais no esconderijo onde ele a mantém cativa, com a esperança de que ele a acabe libertando apenas para se ver livre de sua indesejável influência feminina. Connor, porém, não parece disposto a desistir... e quando seus beijos ardentes e carícias apaixonadas a deixam ansiando por mais, Sophie suspeita de que seu coração já esteja irremediavelmente rendido!

Este é o primeiro livro da série Irmãos MacCarran e conta a história da irmã mais velha, Sophie, conhecida como Santa, pois viveu muitos anos reclusa em um convento e sobre, Connor, o Fantasma Montanhês, melhor amigo do irmão da mocinha.

Sophie está voltando para a Escócia após longos anos longe, quando é confundida com a irmã, e acaba sendo raptada no lugar dela. O raptor, Connor acha que está levando a mocinha certa, e pretende se casar com ela, afinal, tem a autorização do próprio irmão da lady.

O casamento é feito às pressas, a mocinha sem entender nada, mas relutando a cada momento e o mocinho pressionando-a para que aceite os termos, já imaginando como seria a noite de núpcias...

Noite em que ele passa chamando-a de Kate e ela, irritada, percebe que o mocinho acha que ela é a irmã... aí, vocês já imaginam a confusão... ele não acredita que fez uma confusão dessas, casou com uma quando deveria ter casado com outra.

Sophie fica magoada, e passa a achar que o marido, agora que sabe a verdade não vai querer mais nada com ela, dando um jeito de anular o casamento, assim, tenta fugir.

Connor, por sua vez, não faz nada para dissipar a insegurança da esposa. Ele tem suas próprias dúvidas, e passa a questionar se o amigo propositalmente utilizou o esquema para confundi-lo e fazê-lo casar com a irmã certa, quando todos pensavam que era a errada.
O fato é que Sophie é uma pessoa doce, espirituosa, uma luz que ilumina a sombria vida de Connor, que por lutar a favor dos escoceses viu sua família perder tudo o que tinha.

Os dois passam muito tempo não acreditando que o casamento pode dar certo, lutando contra seus mais íntimos sentimentos, mas deixando claro que não conseguem ficar longe um do outro. É um casal que tem uma química forte, as relações são apaixonadas e há algumas cenas hot.

Como sempre, é o lunático vilão, que só aparece no final que consegue fazê-los perceber o quanto se amam e o quanto estão dispostos a se doarem por causa desse amor.


Para incrementar mais a história, há algumas lendas e maldições, assim como espíritos e fantasmas. A principal, trata-se do poder que as fadas concederam aos MacCarran, e que revive nas filhas, aparecendo em forma de dons, como curar, predizer o futuro, fazer as plantas nascerem e crescerem.
Bem, confesso que esperava mais da história, não sei, parece que falta algo... tenho a impressão de ter ficado com um vazio, como se a história não tivesse rendido tudo que podia render... Enfim, me senti meio decepcionada e nada tocada pela história, mas acredito que como momento de entretenimento vale a pena ler.



Resenha da Mayra Coutinho - O Rapto de Velvet - CHE 337

1 comentários


 
Inglaterra, 1760

Refém ou amante?...
Para salvar a família da ruína, Velvet Moran está disposta a renunciar a seus sonhos românticos e casar-se com o implacável duque de Carlyle. Mas em vez de esposa de um aristocrata, ela se vê refém de um notório salteador de estradas... e sua resolução de fugir do covil de seu raptor na floresta enfraquece diante da forte atração que ele lhe desperta.
Injustamente acusado de assassinato, Jason Sinclair volta em segredo à Inglaterra para provar sua inocência e impedir que se realize o matrimônio que o impossibilitaria de recuperar o ducado que lhe foi roubado. Fazendo-se passar por um fora da lei, Jason decide raptar a linda noiva e mantê-la em seu poder pelo tempo que for necessário. Mas será ele capaz de refrear a paixão que tomou conta de seu coração, e que poderá pôr a vida de ambos em perigo?
 
Na minha opnião:
Essa autora escreve bem pra caramba! O livro já te prende desde o começo, quando o mocinho é envolvido pelo irmão maléfico e acusado de matar o próprio pai! Oito anos depois o irmão injustiçado volta determinado a se vingar daquele maldito parricida. O mocinho seqüestra a noiva do irmão, para impedi-lo de se casar, mas a mocinha não dá mole e tenta fugir 4x, depois que ela é solta, descobre a verdadeira identidade do mocinho e decide ajudá-lo a provar a inocência.

E essa é a tarefa mais ingrata de todas! O irmão malvado é cheio de manhas, liso feito quiabo ensaboado e pior que o diabo encarnado! É praticamente uma questão sem solução. Como provar a inocência e pegar o verdadeiro culpado, se todos que se opõem a ele acabam mortos?
Tem partes muito engraçadas e adorei ler as partes onde Jason fica fulo da vida com a impetuosa Velvet que nunca o obedece. Fazia tempo que não lia um livro de Banca tão bom.

Resenha da Iara Paula - Susan Mallery - Sequestro de Amor - Clássicos Históricos Especial 57

0 comentários
Haley Winthrop, noiva por correspondência, chegou a cidade com esperança de construir um lar e uma família. Mas um vaqueiro de fala mansa e olhar sombrio levou-a para longe do noivo, tomando posse de seu coração. Jesse Kincaid tinha feito uma promessa de desmascarar e destruir o homem que havia assassinado seu pai. E que maneira melhor de dar início ao plano do que sequestrando a futura noiva do seu inimigo? Só não contava apaixonar-se pela prisioneira. Havia jurado manter o amor longe da sua vida, mas alguma coisa nos beijos ardentes de Haley fez com que quebrasse a promessa, sonhando com a felicidade eterna.

Essa é uma temática que gosto bastante: Sequestro por amor ou que acaba se transformando em amor como é o caso desse livro. A Síndrome de Estocolmo é um fator muito interessante nas histórias de romances. Haley é uma personagem forte, cheia de personalidade e doida pra casar, faz uma longa viagem achando que o homem que a espera é o príncipe encantado e o noivo dos sonhos de qualquer mulher. Coitada, não poderia star mais enganada, pois seu noivo é na verdade um tremendo de um patife, e em todos os sentidos.
 
Mas, para sorte dela claro, não contava ser sequestrada (lê-se salva) por um  cowboy forte, másculo e com um coração de manteiga e que apesar disso deseja ferozmente se vingar do noivo de Haley e fazê-lo pagar por todos os seus crimes e por esse motivo acaba por sequestrá-la. A partir daí acontecem uma série de fatores que levam a ambos cada vez mais pros braços um do outro e então a paixão é inevitável!
 
O livro não é na verdade muito hot, mas tem umas cenas sensuais de dar água na boca. O Jesse é muito sexy e amoroso e como sequestrador foi um fofo, daqueles que dá vontade de pegar no colo, acalentar e não soltar nunca mais. Enfim é um livro bem gostosinho de ler. Os personagens centrais têm uma química muito boa e os diálogos entre os dois acaba sendo bem dinâmico e interessante! Gostei bastante! Vale a  pena conferir!

Resenha da Mônica Monte de Souza - Liz Ireland - Noiva em Perigo - Sabrina Noivas 94

4 comentários

Capturada! Prestes a se casar, Cathy Seymour recusava-se a permitir que o sequestro a mantivesse longe do altar, mesmo que seu sequestrador fosse o homem mais sensual da face da terra. O que Cathy queria era voltar para o noivo bancário e estável, fosse esperneando, mordendo ou tentando passar por uma minúscula janela de banheiro! Hale Delaney raramente ficava do lado de uma mulher... ou do lado errado da lei... Mas havia praticado aquele sequestro como um favor pessoal para a família. Ele e sua bela refém eram óleo e água. Dinamite e detonador... No que resultaria aquele encontro nada convencional?


O livro que escolhi para o mês de abril da Maratona de Banca é “Noiva em perigo” e a mocinha do livro ia se casar com o irmão do mocinho, que a sequestra no cartório na hora do casamento. O mocinho faz isso a pedido do pai que quer descobrir se o irmão do mocinho estava envolvido com desvio de dinheiro das empresas da família.

A mocinha é filha de hippies e quer ter uma vida normal, então resolve se casar com um homem que aparenta ser tudo que ela espera de um relacionamento normal: é bem sucedido, se veste bem, essas coisas. Enquanto que o mocinho, apesar de ser filho de um milionário não liga pra isso e só quer levar a vida na dele, trabalhando como policial.

A história até que tem seus momentos, e algumas passagens divertidas, mas acontecem tantas coisas que você acaba perdendo o foco do que é realmente relevante. Quase não tem romance e os fatos vão se sucedendo de maneira vertiginosa, tirando um pouco da graça da história.

O mocinho e a mocinha tentam resolver o caso do desvio de dinheiro e passam bastante tempo juntos, porém não existe uma ligação verdadeira entre eles, só uma atração que por causa da investigação, acaba ficando em segundo plano.

Outra coisa que me incomodou na história foi o fato da mocinha já ter sido noiva e ter traído o noivo com o melhor amigo. Agora ela trai o noivo com o irmão. Então não vi a diferença entre uma história e outra. Não é como se ela tivesse encontrado o amor da vida no mocinho, ela já tinha agido assim anteriormente.

Não posso dizer que detestei o livro porque senão nem teria terminado de ler, porém é uma dessas histórias esquecíveis.

Resenhas - Abril/2012: Mocinho sequestra mocinha

20 comentários


Mocinho sequestra mocinha


Sempre lemos histórias onde o vilão malvado sequestra a mocinha indefesa e cabe ao mocinho corajoso salvá-la. Mas quando o mocinho vira vilão e a seqüestra? Seja por amor, vingança ou recompensa, no fim o amor sempre falará mais alto.
Por isso, mocinho seqüestra mocinha não poderia ficar de fora da Maratona de Banca 2012. E é o tema de Abril.